16
Jul 09
publicado por aquiagorasempre, às 09:09link do post | comentar | ver comentários (41) | |
Amo-te tanto,meu amor...não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim,de um calmo amor prestante
E te amo além,presente na saudade
Amo-te enfim com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho,simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtudes
Com um desejo maciço e permanente.

E de ter amar assim,muitoe amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

14
Jul 09
publicado por aquiagorasempre, às 09:07link do post | comentar | ver comentários (26) | |
O cinema do diretor espanhol Pedro Almodóvar(1951),sempre se caracterizou por uma abordagem crítica da sociedade ocidental.Essa mesma abordagem vai na contramão do chamado "cinemão",especialmente o americano,ao usar e abusar da ironia,da comicidade,do deboche ,da paródia e do melodrama de uma forma que o cinema hollywoodiano poucas vezes conseguiu ou ousou fazer.Desde o hiper-realista,hiper-caricato "Pepi,Luci,Bom,y otras chicas del montón"(1980),que usa o kitsch como instrumento de comunicação até "Abrazos Rotos"(2009),Almodóvar recheia seus 30 anos de carreira com obras como "Matador"(1986),"A lei do desejo"(1987)",sua homenagem às comédias americanas dos anos 30 e 40- "Mulheres à beira de um ataque de nervos"(1988),"Ata-me"(1990),"De salto alto"(1991)","Kika"(1993)",o maravilhoso melodrama escancarado "A Flor do meu segredo"(1995),"Carne Trêmula"(1997),"Tudo sobre minha mãe"(1999),"Fale com ela"(2002),"A má educação"(2004) e" Volver"(2006),todas conectadas entre si por uma percepção de mundo única e porque que não dizer redentora,visceral,muito distante de um certo cinema redutor e simplificador. Almodóvar se apropria do melodrama para 'cutucar a onça com vara curta',ao inverter a lógica tantas vezes maniqueísta da indústria cinematográfica e cortejar sem falsos pudores os mais variados clichês e revirá-los de cabeça para baixo,sem que qualquer tipo de falso moralismo interfira em sua narrativa."Tudo sobre minha mãe"(1999) é um desses filmes que não se assistem impunemente.O enredo é relativamente simples:Manuela(a excelente atriz argentina Cecília Roth),enfermeira em Madri,criou sozinha seu filho adolescente,Esteban(Eloy Azorín).No dia de seu décimo oitavo aniversário,Estebán(que sempre quis saber saber quem era seu pai)vai à porta de um teatro tentar conseguir um autógrafo de sua atriz preferida, Huma Rojo(a magnífica Marisa Paredes),é atropelado e morre.Sem rumo,desnorteada,Manuela viaja para Barcelona,à procura do pai de seu filho.Em Barcelona,encontra Agrado(Antónia San Juan)uma transexual-prostituta,espécie de Polyanna do bas-fond ,e talvez a personagem mais humana de todo o filme;Rosa(Penélope Cruz)uma freira grávida que deve ir em missão a El Salvador;a própria Huma Rojo e sua namorada dependente química Nina(Candela Peña).Elas se unem numa espécie de 'consórcio feminino' em torno de Manuela,que procura desesperadamente seu antigo amante,até que o encontra transmutado em Lola(Toni Cantó),até o irrepreensível final.
Todas as personagens,de alguma forma,enganam a si mesmas,ao mesmo tempo em que descobrem a solidariedade vinda das mais'estranhas'pessoas.Nesse fime,Almodóvar afirma de vez seu humanismo e sua recusa de uma humanidade compartimentada em rótulos,com'pessoas mais ou pessoas menos'.Essa recusa de uma humanidade monolítica o leva a realizar sua obra prima.Há os que preferem"Fale com ela";mas acredito que em "Tudo sobre minha mãe",o diretor chega àquele ponto de uma carreira artística,em que a própria obra se torna uma espécie de estandarte de um tempo,uma interpretação muito pessoal desse mesmo tempo.O mundo de Almodóvar(um diretor gay)é um mundo essencialmente feminino,em que o elemento masculino,de certa forma,perdeu o bonde da ternura,do respeito pelo outro.É claro que aqui temos uma generalização almodovariana,um recado aos homens-Acordem!Enfim,uma obra prima,que quanto mais assisto,mais gosto.Mais um filme essencial.

10
Jul 09
publicado por aquiagorasempre, às 10:13link do post | comentar | ver comentários (20) | |


Everybody Hurts(Michael Stipe,William Berry,Peter Buck,Mike Mills)

When your day is long and the night
The night is yours alone
When you think you've had enough of this life,well hang on
Don't let yourself go 'cause
Everybody cries,everybody hurts sometimes

Sometimes everything is wrong
Now it's time to sing along
When your day is night alone(hold on,hold on)
If you feel like letting go(hold on)
When you think you've had too much of this life,well hang on.

Everybody hurts
Take comfort in your friends.
Everybody hurts
Don't throw your hand.Oh,no
Don't throw your hand
If you feel like you're alone,no,no,no,you're not alone.

If you're on your own in this life
The days and nights are long
When you think you've had too much of this life to hang on

Well,everybody hurts sometimes
Everybody cries
And everybody hurts sometimes
And everybody hurts sometimes
So,hold on,hold on
Hold on,hold on,
Hold on,hold on.
Everybody hurts
You are not alone.

06
Jul 09
publicado por aquiagorasempre, às 09:24link do post | comentar | ver comentários (14) | |
As coisas tristíssimas,
o rolomag,o teste de Cooper,
a mole carne tremente entre as coxas,
vão desaparecer quando soar a trombeta.
Levantaremos como deuses,
com a beleza das coisas nunca pecaram,
como árvores,como pedras,
exatos e dignos de amor.
Quando o anjo passar,
o furacão ardente do seu vôo
vai secar as feridas,
as secreções desviadas dos seus vasos
e as lágrimas.
As cidades restarão silenciosas,sem um veículo:
apenas os pés de seus habitantes
reunidos na praça,à espera de seus nomes.
(Adélia Prado)


03
Jul 09
publicado por aquiagorasempre, às 12:44link do post | comentar | ver comentários (14) | |

"Durante muito tempo,costumava deitar-me cedo.Às vezes mal apagava a vela,meus olhos se fechavam tão depressa que eu nem tinha tempo de pensar:'Adormeço'.E,meia hora depois,despertava-me a idéia de que já era tempo de procurar dormir;queria largar o volume que imaginava ter ainda nas mãos e soprar a vela;durante o sono não havia cessado de refletir sobre o que acabara de ler,mas essas reflexões tinham assumido uma feição um tanto particular;parecia-me que eu era o assunto de que tratava o livro:uma igreja,um quarteto,a rivalidade entre Francisco I e Carlos V."
Assim começa "No Caminho de Swann"(na tradução imbatível de Mário Quintana),de Marcel Proust(1871-1922),primeiro volume do grande romance-rio-"Em busca do tempo Perdido".Proust transmuta aqui o antigo realismo de costumes em uma impressionante viagem pelos caminhos do coração,em uma elaboração dos caminhos da memória afetiva e suas veredas que se bifurcam ao infinito.Aqui o autor trata de suas lembranças de infância e adolescência ,focalizando a 'ação' na fictícia e mítica cidadezinha de Combray,onde passa suas férias e feriados com a família .
Proust foi um dos primeiros grandes escritores a analizar o impacto e o poder da memória sobre nossa vida.Como reconstituir o que foi vivido,como fazer essa reconstrução dentro de nossa mente passando pela memória afetiva e suas necessárias intrusões?O que é a memória?
As descrições proustianas são de uma beleza tal como poucas vezes teremos a oportunidade de ver na literatura.Imaginemos um dia qualquer de nossa infância já distante;um dia na praia,em família.Quais eram as cores desse dia?Qual a sensação da água no corpo?Qual a consistência da areia?Com quem falamos?O que conversamos?Quais as alegrias e tristezas desse dia?A análise que Proust faz de todas essas coisas 'perdidas' é de embasbacar.Com uma riqueza impensada de detalhes ele nos leva àqueles dias distantes,que supostamente já esquecemos e aí se dá a epifania:a reconstituição minuciosa de um tempo passado não no exterior,mas dentro da mente.Caminhamos,através dele,pela nossa própria memória.Esse é um daqueles livros cuja leitura transcende o objeto livro em si-ele nos remete a um mundo de sensações que já havíamos esquecido.Não se passa incólume pela leitura de"No caminho de Swann".Como "Grande Sertão:Veredas",os contos de Clarice Lispector,Borges ou os romances de Virginia Woolf,é um livro-análise,um livro-evocação.um livro essencial.
Os soberbos personagens estão todos plenos de uma vida interior que impressiona:o narrador(Marcel em muitos 'eus'),a maravilhosa criada Françoise,Charles Swann e seu amor infeliz por Odette de Crécy,a cortesã vulgar(vulgar por ser pessoa vulgaríssima,não por ser cortesã).Trabalhando a linguagem e suas conexões com nossa memória afetiva,Proust nos dá um mundo,literalmente.Influenciado por Balzac,Stendhal e os grandes romancistas vitorianos(George Eliot,Charlotte Brontë),ele inverte a lógica do realismo e nos apresenta ao país do coração, sem rodeios.Virginia Woolf diz em seu diário como ficou literalmente atarantada com a leitura de"No caminho de Swann",e depois trabalhou também a memória e o fluxo do tempo em "Orlando" e "As Ondas".
Uma experiência inesquecível de leitura,um mundo pleno da vida interior,uma leitura talvez 'difícil' sim ,mas que fica gravada para sempre em nossa memória e em nosso coração.


01
Jul 09
publicado por aquiagorasempre, às 09:42link do post | comentar | ver comentários (8) | |
O Mauri do blog http://akatanadebambu.blogspot.com,me presenteou com 2 selos!!
O primeiro é:
O regulamento é:
-Listar 7 coisas e depois indicar 7 blogs para levar o selo:
As 7 coisas que eu curto:
-Ler na cama,antes de dormir.
-Sair para jantar com meus amigos.
-Ouvir ópera,muita ópera.
-Navegar na net.
-Fazer novos amigos(virtuais ou não).
-Comprar livros e dvds novos.
-Passear com minha cachorra toda manhã.
E esse é o outro selo:


-Tenho que escrever 5 coisas que são ROXIE:
-Sobre música:Maria Callas,The Smiths,Madonna,Marisa Monte,Keane.
-Sobre televisão e cinema:Desperate Housewives,tudo de Almodóvar,filmes americanos antigos(dos anos 30 e 40),seriados antigos(tipo Batman,As Panteras).
-Sobre países que gostaria de conhecer-Irlanda,Egito,Marrocos,Rússia e Austrália.
-Sobre cores favoritas-azul,amarelo,preto,branco,verde.
-Sobre hobbies-Comprar livros em sebos,sair com os amigos,ouvir música,tomar cidra(rs).


Repasso o selo aos seguintes amigos:
-Marcelo(Abrazar la vida),do http://digitaqueeuteleio.blogspot.com/
-Luciano,do http://guleanda.blogspot.com
-Professora Elaine,do http://professoraelainedossantos.blogspot.com/














28
Jun 09
publicado por aquiagorasempre, às 12:28link do post | comentar | ver comentários (10) | |



Uma das mais lindas canções de Michael Jackson,acusado de alienado,monstro,etc, entre outros 'mimos' dos invejosos de plantão.Num mundo conectado em tempo real,os desconectados da vida,esperando pelas migalhas do ocidente.Bom para mais uma vez,abrirmos nossos olhos.Viva Michael!

26
Jun 09
publicado por aquiagorasempre, às 11:06link do post | comentar | ver comentários (25) | |

Há poucos dias,eu estava em um ponto de ônibus na zona sul de Belo Horizonte,quando se aproximou de mim um rapaz .Estava incrivelmente sujo,desse sujo nauseabundo de quem não toma banho há tempos.As roupas talvez tivessem sido roupas boas um dia.Mas o que mais me chamou a atenção foi o semblante devastado,cadavérico,e ao mesmo tempo com algo como que a lembrança de uma outra pessoa que um dia ele tivesse sido.Me pediu um real.A voz era baixa,quase inaudível.Olhei para ele,e não sei porque,pensei-esse cara não é um mendigo.É alguma outra coisa.Disse a ele que não tinha um real(o que é era verdade),e ele logo pediu à pessoa mais próxima.Pouco depois,o rapaz do carrinho de cachorro quente comentou com as pessoas no ponto:-Coitado,é 'crackeiro' de carteirinha,a família é 'de bacana',leva pra casa,interna em clínica,ele foge,correm atrás dele,acham novamente,ele foge de novo,por aí vai.Pensei no pobre rapaz,que não teria mais de vinte anos,no inferno pessoal em que vivia,atrelado a uma necessidade exterior que lentamente o destruía,pensei nos momentos de angústia que teria,pensando em uma outra vida que poderia ter existido não fosse o crack cavar lentamente seu buraco que vai dar na destruição do corpo,da mente,do espírito.E penso também nos pais,na mãe,que certamente deve se desesperar.
A história desse rapaz ilustra uma das maiores discussões contemporâneas:o uso e o abuso de drogas e seus efeitos devastadores no tecido social.Acredito que hoje,alguém dizer que 'as drogas abrem a cabeça' ou 'todos deveriam experimentar para ver como é',são mais que afirmações absurdas,frases destituídas de sentido,são exemplos da indiferença pelo sofrimento alheio,tanto do usuário quanto de sua família.
O problema das drogas no Brasil assumiu,na minha opinião,um aspecto tão catastrófico,que não há mais espaço para paliativos.O entrelaçamento do uso de drogas com a violência urbana,adquire aspectos cada vez mais preocupantes.O congresso nacional(que teoricamente deveria velar pelo bem estar dos cidadãos),nada faz para mudar o atual estado de coisas.Nao entendo o desinteresse dos políticos por esse assunto tão importante.Nós,como sociedade,devemos mudar a mentalidade,e pensar que as drogas REALMENTE causam muito sofrimento mental e físico,implosão dos laços familiares e sociais,violência sempre gerando mais violência.A caretice hoje é dos advogados do'liberou geral',que tentam passar por cima da realidade que os circunda a todo momento,sabe Deus movidos por quais motivos.É preciso repetir sim,sempre:DROGA MATA,e mata de muitas formas,algumas lentas,outras rápidas.E podem dizer:ele é careta sim.Acreditem,a droga não é libertação,é prisão física e psíquica,não é 'coisa de gente descolada',é coisa de gente que quer sofrer e fazer a familia e os amigos sofrerem.Engaje-se contra as drogas,não engane a si mesmo-elas são uma rua sem retorno.Fique na real,seja você mesmo(a).

25
Jun 09
publicado por aquiagorasempre, às 23:32link do post | comentar | ver comentários (12) | |

mais sobre mim
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO