publicado por aquiagorasempre, às 22:27link do post | comentar | |



An engine,an engine

Chuffing me off like a jew.

A jew to Dachau,Auschwitz,Belsen.

I began to talk like a jew.

I think I may be well a jew.



The snows of the Tyrol,the clear beer of Vienna

Are not very pure or true.
With my gypsy ancestress and my weird luck
And my tarot pack and my tarot pack

I may be a bit of a jew.

(Sylvia Plath)



Um trem,um trem

me levando para longe como um judeu

Um judeu para Dachau,Auschwitz,belsen.

Comecei a falar como um judeu

Posso muito bem ser um judeu.


As neves do Tirol,a clara cerveja de Viena

não são puras nem verdadeiras

Com minha antepassada cigana e minha sorte estranha

e meu baralho de tarô e meu baralho de tarô

eu também sja um pouco um judeu,

(tradução minha)






publicado por aquiagorasempre, às 21:05link do post | comentar | |
name="allowscriptaccess" value="always"></param></

publicado por aquiagorasempre, às 19:28link do post | comentar | |
script type='text/javascript' src='http://track4.mybloglog.com/js/jsserv.php?mblID=2009012513253557'>

publicado por aquiagorasempre, às 19:17link do post | comentar | |
DigNow.org

publicado por aquiagorasempre, às 19:05link do post | comentar | |
a href="http://www.topblogarea.com/literature/" title="Literature blogs">Literature blogs
kosmetisk tandv�rd

publicado por aquiagorasempre, às 18:59link do post | comentar | |
a href="http://www.topblogarea.com/literature/" title="Literature blogs">Literature blogs
bleka t�nderna

publicado por aquiagorasempre, às 18:54link do post | comentar | |

publicado por aquiagorasempre, às 18:45link do post | comentar | |

publicado por aquiagorasempre, às 18:14link do post | comentar | |



publicado por aquiagorasempre, às 18:02link do post | comentar | |

publicado por aquiagorasempre, às 17:30link do post | comentar | |
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

publicado por aquiagorasempre, às 15:53link do post | comentar | |

O JARDIM DAS TULIPAS 2



Parando junto à amureta,vislumbrou os jardins lá embaixo;os vultos das roseiras,das castanheiras rente ao muro.bem devagar,passou os dedos pela superfície do muro:fria e dura.Recostou-se na parede e por alguns segundos fechou sua mente.O ar muito frio e seco batia em seu rosto e de repente o encheu de felicidade.Como as manhãs de inverno antigas,a bruma entre as árvores quando desciam para a ginástica.Todos jovens e saudáveis ,e fortes e impávidos como jovens Hermes...Mas reabriu os olhos e à sua frente estava a porta do coro da capela.Ao abrir a porta,o cheiro leve de madeira envernizada e o velhos hinários amontoados o perturbou.A luz vermelha do sacrário embaixo dava um ar fantasmagórico ao olhar.tateando na semi-escuridão sentou-se num banco.Centenas de vezes estivera ali,juntara-se ao coral nas festas;nas manhãs de verão o barulho de pássaros enchia as manhãs.Jamais pensaria em tudo que um dia realmente perdera .As querelas e brigas fúteis o afetavam como um miserável seixo no sapato.

Ajudara a varrer,a espanar,a tirar com cuidado a poeira das imagens,a polir a coroa de nossa senhora.Os dias sem fim nem começo.Não eram eles assim?E ele os vivia com um ardor de náufrago salvo,o que fora resgatado do incêndio.E naquele continuum vivia como um nunca afundar na areia movediça que tinha se tornado sua vida.A madeira dos bancos estralava e eles povoavam a nave de um silêncio inusitado na noite e para ele,no tempo.Sentiu então a costumeira seta ferir com força.Mas dessa vez com uma força diferente,uma sensação muito mais profunda do irremediável de tudo que havia se ido pelo tempo,além.Como a grama queimada do jardim,a carcaça da borboleta que pela manhã se ressecaria ao sol,os hinários mofados,o verniz manchado das cadeiras do refeitorio.Existiriam mesmo os corpos incorruptos dos santos?Catherine Labouré na Rue du Bac em Paris,Bernadette em Lourdes.Pobres coitadas,suas imagens destituidas de realidade alimentando retinas abismadas e corações incrédulos.Quanto a seu próprio corpo,lentamente se corrompia.A pele do rosto se repuchava,pendurando-se junto com as bochechas;as bolsas dos olhos ressaltavam os olhos desfocados.E as mãos ásperas,cheias das ignóbeis pintas...Era esse o corriqueiro das coisas.E ele já não percorria seu rosto no espelho com meticulosidade de maníaco como antes.que tudo se danasse!E porque não?que a morte viesse arrematar a obra.O que lhe secava os ânimo era a vida que tinha de ser vivida com todos seus rituais cuidadosamente traçados.Os bons dias mecânicos,os ai meu deus não ditos,o aperto das tenazes.Acordava por vezes sufocado,embriagado de algo que desconhecia,farto de sonhos ,que belos e fantasmagóricos em sua estranheza de lugares impossíveis,mal lhe podiam trazer qualquer lembrança palpável daqueles outros tempos que revoavam a seu redor.

mais sobre mim
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
20
24



pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO